*

Blog

UNNE-CONADIS vai trabalhar sobre a integração das pessoas com deficiência

alt="UNNE"

O III Congresso Internacional sobre Deficiência teve lugar em Resistência (Argentina) de 19 a 21 de agosto de 2015 e teve um propósito claro: gerar uma linha de pensamento que ampliasse a visão sobre a diversidade. Em suma, os objetivos deste congresso foram definidos em três palavras: debater, gerar e unificar.

Sem dúvida, este encontro foi muito frutífero e os primeiros resultados já chegaram: a reitora da UNNE, a Professora Maria Delfina Veirave assinou um convénio de cooperação com a Presidente da Comissão Nacional Assessora para a integração das pessoas com deficiência (CONADIS), Professora Silvia Bersanelli.

Este convénio permitirá que as acções de formação, assistência técnica e fortalecimento institucional da UNNE por parte da Comissão Nacional que terão início no mês de outubro de 2015. As linhas de formação foram definidas no campo da Convenção Internacional para a Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência (à qual o país aderiu e tem hoje classificação constitucional), Vida independente e emprego, Linguagem adequada e comunicação inclusiva e a deficiência no novo Código Civil.

No ato estiveram além da Lic. Rosana Alasino, funcionária da CONADIS, a Coordenadora da Comissão Inter-Universitária Deficiência e Direitos Humanos do CIN Prof CIN Marcela Mendez e a Coordenadora da Comissão de Deficiência da Universidade Nacional de Cuyo Prof Alicia Reparaz. Acompanharam na cerimónia a Reitora o Secretário General de Extensão Universitaria Lic. Juan Irala e o Diretor do Projeto Desenho Universal NEA Arq. Julio Putallaz.

“As linhas de formação serão: a defesa dos direitos das pessoas com deficiência, vida independente e emprego, linguagem adequada e comunicação inclusiva e a deficiência no novo Código Civil”

Durante a reunião, a Sra. Reitora expôs os avanços em matéria de acessibilidade física nos vários campus, o Projeto Institucional apresentado à Secretaria de Políticas Universitária na Convocatória PODES e outras ações para a inclusão, como o Programa de Povos Indígenas. Por outro lado, a Professora Bersanelli colocou à disposição da UNNE as diferentes linhas de assistência no campo da inclusão e abordagem de incapacidade que o CONADIS dispõe e a sua capacidade de articulação com as diferentes áreas de governo.

A partir do convénio, ambas as instituições vão planear programas de ação conjunta, especialmente aqueles relativos à Difusão da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, Acessibilidade, Trabalho, Educação, Assistência Social, Saúde e Reabilitação. Também estão a planeados projetos de formação e aperfeiçoamento de professores e investigadores.

O acordo terá a validade de dois anos, renovando-se automaticamente por igual período, a menos que as partes de comum acordo decidam rescindi-lo.

Entrevista a Martha Ruth Reyes Walle, responsável pelo serviço de Atenção a Pessoas com Deficiência da UAT. No México (CODIS-UAT) da Universidade Autónoma de Tamaulipas (UAT) do México

Esta semana entrevistamos Martha Ruth Reyes Walle, responsável pela Coordenação de Atenção a Pessoas com Deficiência (CODIS-UAT) da Universidad Autónoma de Tamaulipas (UAT) do México.codis_uat2

A Universidad Autónoma de Tamaulipas é uma das universidades Ibero-americanas que mais progride para a inclusão de alunos com deficiência. Algumas iniciativas que promoveram durante este curso (2014 / 2015) inclui a  entrega de recursos acessíveis ou a promoção de diferentes programas como o II Fórum Internacional sobre a deficiência no ensino superior. Portanto, nesta entrevista vamos tentar conhecer as medidas, projetos e propósitos que a CODIS-UAT  desenvolve em matéria de deficiência.

Fundación Universia: Boa tarde Martha, antes de começar queríamos agradecer-lhe por responder às nossas perguntas e dar-lhe os parabéns por todo o trabalho feito nesta área. Queremos saber tudo sobre as medidas e projetos do CODIS-UAT. Como é que este departamento surgiu?

Martha Ruth Reyes Walle: A Coordenação de Cuidados para Pessoas com Deficiência na UAT (CODISUAT) é uma proposta que apresentei perante a necessidade de inclusão e o compromisso de responsabilidade social que cada universidade deve ter para com a sua comunidade.

FU: Quantos universitários com deficiências estão registados na UAT?

MRRW: Atualmente temos na UAT 64 alunos com deficiência.

FU: Quais são as medidas inclusivas que estão a levar a cabo?

MRRW: A CODIS-UAT oferece os seguintes serviços:

  • Gestão de Bolsas a 100% para alunos com deficiência.
  • Orientação sobre a infraestrutura da UAT.
  • Orientação vocacional.
  • Workshops de sensibilização e conferências.
  • Orientação para professores.
  • Tecnologia adaptada para melhorar o processo ensino-aprendizagem.

FU: Sabemos que a partir do CODIS-UAT se fomenta a inclusão educativa das pessoas com deficiência. Também se ajuda na inserção no mercado de trabalho?

MRRW: Estamos em vias de oferecer esse apoio através da Rede Nacional de Vinculação Laboral do Ministério do trabalho e segurança social, uma instituição do Governo Federal.

FU: Quais são vossos planos futuros? Que coisas querem ainda melhorar?

MRRW: Agora estamos a trabalhar nos cursos de linguagem gestual mexicana, na verdade, existem algumas pessoas a fazer um curso básico. Além disso, o nosso objetivo para um futuro próximo é ter intérpretes que apoiem os alunos surdos na sala de aula. Também estamos à procura de patrocínios para uma impressora de braile.

Mas apesar de todo o trabalho realizado, ainda nos falta muito por melhorar. Sobretudo relacionado com a acessibilidade à infraestrutura física, às comunicações e ao transporte.

FU: Por último, gostaríamos que nos deixasse alguma frase ou mensagem de apoio para todos os alunos com deficiência, para as suas famílias e para o resto das universidades Ibero-americanas, que tal como a UAT lutam pelo avançar da acessibilidade e da inclusão.

MRRW: A minha frase favorita é: “para exigir direitos devemos cumprir obrigações”. Todos podemos, não se trata apenas de pedir.

A mensagem para os alunos e para as suas famílias, seria a seguinte: “Para um verdadeiro empoderamento devemos assimilar que o ter que fazer que dobro ou triplo do esforço, nos vai permitir desenvolver outras habilidades, e conseguir uma resiliência que nos vai impulsionar a alcançar os nossos objetivos e a obter vitórias acima da nossa deficiência”.

Obrigada, Martha, desejamos-lhe muito sucesso!

Chaves para enfrentar uma entrevista com sucesso

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A entrada desta semana pretende dar conselhos a tod@s aquel@s que estão na procura ativa de emprego ou de estágio.  Pré-Entrevista, entrevista e pós-entrevista serão as etapas a analisar neste post.

Não é um disparate comparar a procura de emprego com um corredor cheio de portas. Algumas esperam para ser abertas, outras permanecerão sempre fechadas e a outras podemos não querer entrar. Independentemente do tipo, é necessário saber como agir perante elas.

COMO TEM QUE SER UM BOM CV?

A primeira coisa que deve ter em conta quando procura emprego (e antes de elaborar um currículo) é conhecer bem as suas características. Conhecer-se bem para oferecer ao mercado de trabalho as soluções que esperam, é algo vital. É tempo de rever todas as nossas atitudes, habilidades, pontos fortes (ou fracos), hábitos e conquistas.

O currículo é o nosso primeiro contacto com a empresa e, portanto, a nossa primeira chave de entrada. Como deve ser um bom CV? Objetivo, breve, com uma foto tipo e com um design discreto, limpo e claro. Um bom currículo deve ter uma página e deve ser um reflexo da nossa história formativa e profissional.

COMO SUPERAR UMA ENTREVISTA COM SUCESSO?

Uma vez superada a primeira porta, passamos à entrevista. A entrevista pessoal é um ato no qual o entrevistador tenta obter informações sobre o entrevistado através de diferentes técnicas. O candidato deverá esforçar-se ao máximo para mostrar as suas qualidades e conhecimentos, transmitindo todas aquelas características pessoais e profissionais que queira destacar. Levar o CV, vestir-se de forma discreta, ir limpo e sozinho, ser pontual, ser confiante, ser natural, não cruzar os braços, não criticar trabalhos anteriores, levar o currículo estudado ou informar-se sobre a empresa, são algumas das dicas para superar uma entrevista com êxito.

Por outro lado, as dinâmicas de grupo permitem à empresa avaliar a capacidade de trabalhar em equipa. Participar ativamente, contribuir para alcançar o objetivo do grupo, ouvir os outros, tirar notas, ou ter em atenção o tempo, são algumas das dicas para superar esta dinâmica.

TERMINAMOS A ENTRADA COM DUAS DICAS:

PASILLOS

“Quando terminar a entrevista deve perguntar quando termina o processo de seleção. Se passado este tempo não obteve resposta, deve contactar o entrevistador para se inteirar do processo”, aconselha a responsável do programa de Emprego da Fundación Universia, Beatriz Arribas. “No caso de termos uma resposta negativa, devemos perguntar as razões para melhorar em futuras entrevistas,” acrescenta.

À pergunta sobre se devemos colocar (ou não) no cv se temos um certificado de incapacidade, Beatriz Arribas comenta que “é uma decisão pessoal que depende de vários fatores. Em primeiro lugar, se sabemos que a empresa é socialmente responsável e está sensibilizada com a contratação de pessoas com deficiência, é uma boa oportunidade para o referir. “Por outro lado, temos uma deficiência física (mobilidade reduzida) ou sensorial (auditiva ou visual), seria bom mencioná-lo para que o entrevistador possa contar com os meios necessários para realizar a entrevista”. Em qualquer caso, se esta questão gerar nervosismo quando enfrenta o processo de seleção, pode não referi-la no CV e comentá-lo na entrevista.

A reflexão desta semana tenta incentivar a tod@s aquel@s que estão neste processo e felicitar os que já alcançaram este objetivo. A procura de emprego, é um processo que requer paciência, interesse e esperança. Por esta razão, temos de ter claro que “quando uma porta se fecha, outra se abre”.

Ana_Avatar

Ana

 

Comemoramos o #DiaDaInternet com os melhores sites derrubadores de barreiras

barrera

O acesso à informação é um direito. Apesar disso, são cada vez mais as diferenças entre as pessoas que podem aceder às informações e as que não o podem fazer. Por ocasião do dia da Internet, selecionamos os melhores sites no domínio da deficiência e acessibilidade dos países ibero-americanos.

Primeiro um pouco de história. O dia da Internet surgiu por iniciativa da Associação dos Utilizadores de Internet, à qual se juntaram várias associações ibero-americanas que viram com interesse partilhar numa data específica as suas ações para aproximar a Sociedade da Informação dos cidadãos.

Uma das primeiras barreiras de acesso à rede, é a tecnologia. Neste âmbito destaca-se a ATeDis. Uma entidade argentina que promove a implementação de políticas públicas e de projetos que facilitam o acesso às tecnologias através de Produtos de Apoio.

Mas a barreira tecnológica não é a única, existem muitas outras como a económica, a física, a social ou a cultural. Daí a importância de trabalhar todas como um nó e não como um vértice (é tempo das redes e do trabalho em equipa). Neste campo destaca a Rede Ibero-americana de Especialistas na Convenção sobre os direitos das Pessoas com Deficiência e a Rede Colombiana de Universidades pela Deficiência. Ambas unem forças dos diferentes países para juntas derrubarem barreiras.

Nos últimos anos, assistimos a uma mudança de paradigma no que se refere ao emprego. Com apenas um clique podes consultar as ofertas sem sair de casa através (e obrigado) da Internet. Uma agência de recrutamento espanhola que luta pela inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho é a Fundación Universia. Além disso, existem muitas outras entidades que abordar este âmbito como o COCEMFE, a Fundación ONCE, a Fundación Adecco, a FSC Inserta ou a Fundación Manpower.

A reflexão desta semana é uma mistura de preocupação e de gratidão. Fomentar a inclusão na Rede é um dos objectivos que devemos ter em conta. Portanto, queremos lembrar o quão necessário é termos uma web para tod@s e agradecer os esforços que se tem sentido.

Gizmo

 

Comemoramos o #DiaInternacionaldaDança com os melhores centros de dança inclusiva

bail1

Como todos os anos, hoje 29 de abril celebra-se o Dia Internacional da Dança em homenagem ao nascimento do coreógrafo francês Jean Georges Noverre, o pai do balé moderno. Nós decidimos celebrar este dia à nossa própria maneira, fazendo uma seleção dos melhores centros onde se pode praticar dança inclusiva. Vamos dançar!

Algumas associações espanholas estão certas de que poucas coisas são melhores para levantar o ânimo do que a dança. Este é o caso da Danza Mobile, Moments Art ou da Fundación Psico Ballet Maite-León. Estas entidades apostam na integração de corpos, mentes e idades como estilo de dança próprio.

Na Colômbia a Association ConCuerpos é uma organização sem fins lucrativos com sede em Bogotá. Entre as suas boas práticas têm bolsas de estudo destinadas a pessoas com deficiência, que cobrem 3 meses de formação em dança contemporânea inclusiva.

Mais a sul, na Argentina, o reconhecido dançarino Iñaki Urlezaga lidera a “Dança pela inclusão”. Uma iniciativa que compreende a arte como ferramenta de integração através de um corpo de dança formado por jovens de todas as regiões do país.

Finalmente, a Faculdade das Artes da Universidad do Chile preparou para quarta-feira 29 e quinta-feira 30 aulas abertas. Estas atividades são livres e estão abertas ao público em geral. Se quer saber que mais, clique AQUI.

Finalmente, a reflexão de hoje. Poucas coisas são tão simples e divertida como a dança. Por esta razão, nada melhor que saudar o verão a dançar, com um grande sorriso e um bom ritmo.

Gizmo

Celebra o dia do livro com este TOP 10 na diversidade

Nada melhor para celebrar o Dia Internacional do Livro do que uma seleção de histórias sobre a diversidade funcional. Todos os protagonistas destas histórias se destacam por alguma coisa (seja referente ao corpo ou à mente) e essa diferença torna-os especiais.

Posto isto, o romance do século XXI, ‘A Solidão dos Números Primos’ ganha as nossas boas-vindas semanais. A história narra a vida de duas pessoas que desenvolvem uma amizade um tanto ou quanto estranha que dá que pensar. Outras obras atuais que abordam esta questão são: ‘O curioso incidente do cão à meia-noite’ Mark Haddon; ‘ A Culpa é das Estrelas’ de John Green sobre o cancro e a adolescência e ‘Onde vamos, pai?’ de Jean-Louis Fournier.

Um pouco mais antigo (mas igualmente bom) é ‘As linhas tortas de Deus’ Torcuato Luca de Tena. Outro dos autores contemporâneos que não pode faltar no nosso post é Stephen King. Entre as suas obras destacamos ‘Dolores Claiborne’, ‘Misery’, ‘The Shinning’ ou ‘Carrie’.

Sin título-1

Mas livros sobre a deficiência não são coisa de agora, Deus tem escrito torto há várias centenas de anos. De Oscar Wilde de Cervantes, passando por Homero ou Edgar Allan Poe. Muitos foram os que adicionaram características especiais aos seus personagens para criar personagens únicos.

No campo da Banda Desenhada a gigante Marvel ganha a batalha. Muitos dos seus heróis têm várias outras capacidades. ganha a batalha. Muitos dos seus heróis têm várias outras capacidades destintas de todas as outras. Alguns exemplos incluem o Demolidor, o Professor Xavier, o Ciborgue ou Olho do Falcão. Uma banda desenhada de Miguel Gallardo é “Mary e eu”. A revista narra as férias do autor com a sua filha, Maria, uma menina com autismo.

superheroes

Em relação ao romance infantil, selecionamos ‘A Bela e o Monstro’, ‘Heidi’, ‘Branca de neve’ ou ‘A Pequena Sereia’. Além disso, um artista espanhol com deficiência, Raúl Aguirre, traz-nos obras como ‘A cabeça do rinoceronte’ ou ‘A Menina Algodão’.

https://dg9aaz8jl1ktt.cloudfront.net/the_files/34275/std.jpg?1415286742

Finalmente, a nossa classificação final:

1. ‘Don Quixote’, do Miguel de Cervantes

2. ‘A menina Algodão’ de Raúl Aguirre

3. ‘O coração revelador’ de Edgar Allan Poe

4. ‘As linhas tortas de Deus’ de Torcuato Luca de Tena

5. ‘Carrie’ de Stephen King

6. ‘A Solidão dos Números Primos’ de Paolo Giordano

7. ‘O retrato de Dorian Gray’ de Oscar Wilde

8. ‘Daredevil’ de Frank Miller

9. ‘A Culpa é das Estrelas’ de John Green

10. ‘Branca de Neve’ dos irmãos Grimm

 

Ana_Avatar

 Ana

 

TOP 5 em actividades de lazer nas universidades Ibero-americanas

actividades

A primavera vem e traz consigo o cheiro do verão. Calor, tempo livre, esplanadas, férias… Tudo isso já não nos parece tão distante. Por isso, nada melhor do que começar esta bela estação com atividades de lazer. No post desta semana selecionamos cinco propostas de actividades nas universidades Ibero-americanas.

Em Espanha, a Universidade de León (ULE) organiza diversas oficinas. Uma delas é o curso de improvisação livre interdisciplinar, que terá lugar nos dias 22 e 23 de junho de 2015. Se gosta de teatro e quer participar, as inscrições já estão abertas. Relacionado com o cinema e no Equador, a Universidade de Cuenca organiza o “Seminário de Cinema Digital e vídeo-arte”. Este curso está aberto ao público em geral (não apenas a estudantes).

Em relação ao exercício, a Universidade Rey Juan Carlos de Madrid oferece uma grande variedade de desportos, que vão desde o pádel ao pilates, passando pelo rugby. No campo dos desportos adaptados, selecionamos a Universidade Autónoma do México. Esta universidade tem equipa de atletismo, tanto em pista como em campo, basquete, natação ou Ténis. Também oferece aulas de xadrez de segunda a sexta-feira. Um desporto mais mental e menos físico, mas de igual forma competitivo.

Uma atividade interessante (para aqueles que gostam de escrever), é o concurso de redação organizado pela Asociación de Universidades Confiadas a la Compañía de Jesús en América Latina (AUSJAL) por ocasião do seu 30º aniversário. Neste concurso podem participar todos os alunos matriculados em universidades Ibero-americanas membros da AUSJAL.

Para aquell@s que gostam de investir o seu tempo em aprender mais, a Faculdade de comunicação e Humanidades da Universidade Finis Terrae do Chile oferece um curso interessante.  Sob o nome de “Apresentações criativas com o Prezi”, o curso tem como objetivo aprender as funções do programa e aprender a fazer apresentações de forma criativa e original.

Como informação de interesse, a Universidad Argentina de la Empresa (UADE) realizou um inquérito interessante aos cidadãos de Buenos Aires sobre tempo livre e lazer. Com a busca da satisfação pessoal como objectivo comum, as atividades de lazer variaram de acordo com a idade, sexo ou nível de ensino.

E finalmente, uma reflexão. Tudo o que fazemos afeta a nossa vida, a nossa mente e/ou o nosso corpo. Por esta razão, é bom incentivarmo-nos com actividades que proporcionem o crescimento pessoal.

Já pode registar-se na #CursosEmpleartec. Argentina

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Boa notícia para os entusiastas pelas tecnologias, já estão abertas as inscrições para os cursos gratuitos Empleartec, a nova iniciativa das universidades argentinas.

Com a natureza livre e cara a cara, este projeto visa promover o emprego nas áreas de software e tecnologia a nível nacional e destina-se a tod@s aqueles que desejam trabalhar no mundo da informática.

Cada curso terá uma duração de 80 horas distribuídas por mais de 20 aulas de quatro horas cada. Aqueles que desejam aceder à lista completa dos cursos podem fazê-lo AQUI.

Algumas das entidades colaboradoras são: o Ministério do trabalho, Emprego e Segurança social; a Câmara de Software e Computador Serviços a Empresas (CESSI); Universidad de Buenos Aires; Universidad FASTA; Universidad Abierta Interamericana; Universidad Tecnológica Nacional; Universidad Nacional de General San Martín; Universidad Nacional de La Matanza; Universidad Nacional de Entre Ríos; Universidad del Norte Santo Tomás de Aquino; Universidad Provincial de Ezeiza; Universidad Nacional de Lomas de Zamora e outras empresas do sector.

Se pretende inscrever-se e tem mais de 18 anos, pode fazê-lo aqui. Para aqueles que querem aprender mais sobre o programa, pode consultar este site, escreva para becas@cessi.org.ar ou ligue: 0810 – 345-0601.

Finalmente, uma reflexão sobre o tema: com feriados de Páscoa quase nos saltos, nada melhor do que começá-los a ler uma boa história. Parabéns a todas as universidades colaboradoras!
Ana_Avatar

 Ana

Estágios profissionais aterram na Costa Rica

buenaspracticas_costarica

Tem uma deficiência? É estudante universitário? À procura de estágios profissionais de qualidade? Um novo programa responde a todas estas perguntas (e mais).

Moradores da cidade da Costa Rica de Palmares de Alajuela têm um programa que visa trazer oportunidades de emprego para alunos com deficiência. “Empleate” é o nome deste novo sistema inclusivo, promovido pelo Ministério do Trabalho e Segurança Social, o município de Palmares.

Esta iniciativa pretende trazer a inclusão do trabalho para aqueles que têm mais dificuldades para conseguir emprego. Para dar início ao processo, o colégio deverá emitir um relatório sobre o estudante onde deve estar determinada a sua área profissional.

Além disso, os alunos recebem um subsídio para cobrir despesas de ambos na Universidade, como o pessoal (transporte, alimento, materiais, medicamentos…). Apesar do programa ter um espírito muito nobre (iniciado em janeiro de 2015), em apenas dois meses apenas foram integradas duas pessoas com deficiência.

O responsável por selecionar estagiários (de acordo com o estatuto económico) é o Ministério do trabalho. Desta forma são priorizados os casos qualificados de extrema pobreza pelo Instituto de Assistência Social (IMAS).

Para terminar uma pequena reflexão sobre o assunto. Cada dia mais países latino-americanos se juntam a favor da inclusão do trabalho de jovens com deficiência. Uma iniciativa insignificante para alguns, mas essencial para muitos outr@s.

 

Ana_Avatar

 Ana

 

Ibero-américa aposta na inclusão de alunos com deficiência

discapacidad_iberoamercia

Esta semana decidimos fazer um cocktail com a nossa entrada combinando vários países ibero-americanos com uma pitada  de  (mais ou menos), do costume: deficiência nas universidades. O ingrediente estrela deste novo post são as áreas de atenção à deficiência nas facultades Ibero-americanas. Quer saber mais?

Para começar, a  Pontificia Universidad Católica de Perú aposta no acesso a infraestrutura e serviços em todas as suas bibliotecas, um sistema que oferece aconselhamento personalizado. Além disso, as pessoas com deficiência que necessitem podem receber os seus materiais de leitura na receção da Biblioteca Central.

A Universidad Nacional de la Asunción de Paraguay fornece conselhos, informações e orientações para a inclusão das pessoas com deficiência visual, auditiva e física nas diferentes unidades académicas. No entanto, na Pontificia Universidad Católica do Chile os serviços dividem-se em duas áreas: uma para alunos e outra para docentes.portada_guia_atencion_discapacidad_universidad_2014

Em relação a estudos sobre o tema, a Universidad Tecnológica de Panamá recolhe no seu site uma lista de investigações sobre ideias e processos que se estejam a desenvolver nas diferentes faculdades e centros de investigação. Na mesma linha visita a Universidad de San Carlos de Guatemala. A faculdade realizou um estudo sobre a prevalência de pessoas com deficiência no seu centro.

A política de educação inclusiva na la Universidad de El Salvador aposta na acessibilidade dos alunos através da oferta de bolsas de estudo, ou fornecimento de material escolar ou na incorporação de pessoal administrativo com deficiência, entre outros. No Equador, o Instituto Ecuatoriano de Crédito Educativo y Becas também oferece ajuda para facilitar o acesso à universidade dos estudantes universitários com deficiência.

Todos estes objetivos são tão diversos como as suas universidades, no entanto, todos eles têm um objetivo comum: a inclusão de alunos com deficiência na Universidade. A Fundación Universia realizado anualmente a Guia de atenção à deficiência na Universidade,  recolhendo dados sobre o número de alunos com deficiência matriculados, os serviços/medidas de ação positiva que oferecem, ou o contato de todas as áreas de deficiência das diversas universidades espanholas. Existe alguma maneira melhor para reunir todos estes dados?

Por esta razão lanço esta pergunta: gostaria que a @FUniversia fizesse um Guia de atenção à deficiência nas universidades ibero-americanas para 2016?

 

 

Gizmo